O oráculo de 36 cartas conhecido como baralho cigano, também atende pelo nome de baralho Lenormand, ou baralho de madame Lenormand.

Marie-Anne Le Normand é a pessoa cuja a origem do baralho muitas vezes está vinculada, embora na realidade a origem desse oráculo seja muito mais antiga, sem dúvida Madame Lenormand é a responsável por difundi-lo e sua usuária mais ilustre.

Madame Lenormand foi uma famosa cartomante que entre seus clientes estavam figuras como Napoleão, o Czar Alexandre, Robespierre entre outros. Fazendo sua fama e glória principalmente em Paris na França.

Sua origem, porém, não é francesa. Nasceu em 27 de maio de 1772 em Alençon na Normandia. Já em seu nascimento algo diferente do normal a marcou, recebeu o nome de sua irmã mais velha já morta Marie-Anne, o que segundo superstição da época que o nome de um bebê morto em outra criança faz com que a alma do bebê acompanhe a nova criança.

Ainda criança sua família de comerciantes de tecidos imigrou para a França ainda.

Por isso, apesar de sua origem simples foi criada e educada na Abadia Real de Damas Bénédictines d’Alençon onde sua educação e forma atingiu tons distintos e muito distantes de seus traços de origem. Mesmo na escola demonstrou seus traços de profetisa prevendo fatos da vida de seus colegas e conhecidos, inclusive prevendo mudanças de cargo dentro da abadia. Situação essa que a fez ser expulsa e ter seu nome a precedendo quando chegou em Paris.

Em Paris, no início trabalhou como lavadeira, contudo logo entrou em contato com uma cartomante da época: Sra. Gilbert, que lhe ensinou o ofício e por onde conseguiu canalizar seus dons de clarividência. Devido aos acontecimentos que a fizeram ser expulsa na abadia, Marie Anne foi procurada pela alta classe de Paris.

Ela em pouco tempo montou seu próprio estúdio e escreveu livros, entrando em contato com Robespierre, Saint-Just e Marat, os quais previu suas mortes violentas entre outros fatos marcantes.  

Depois de um tempo corrido e conforme as mortes foram ocorrendo como descrito acreditaram que Madame Lenormand estava relacionada. A levaram a julgamento, mas sem provas uma vez que ela exclusivamente e somente previu a morte. Foi solta e sua fama ampliada. Mais tarde, também foi comprovado que previu na mesma ocasião a morte de Louis XVI.

Nunca deixou de estudar e se aprofundar na área de dominomancia, cabala, alquimia, geomancia, numerologia, quiromancia, astrologia, além um profundo conhecimento em flores, ervas, pedras e talismãs.

O próprio Napoleão com o tempo a usou como principal guia espiritual. A lenda conta que o imperador achava o tarot de Marsella, confuso e pouco direto e por isso, para seu cliente mais ilustre Madame Lonormand passou a usar o baralho cigano.

Napoleão, porém, nem sempre gostava das previsões, a mandando prender por traição algumas vezes, mas sempre a soltando depois. Posteriormente também ficou registrado que previu a queda de Napoleão.

Ao longo da vida Madame Lenormand escreveu 17 obras e trabalhou ativamente até meados de 1830 quando passou a atender somente amigos e conhecidos. Morrendo em Paris 1841 com 71 anos, deixando sua fortuna considerável ao seu sobrinho. Marie-Anne Lenormand, foi cartomante, teve uma vida agitada, acusada de heroína á traidora. Marcando a história com sua força de mulher em meio a uma era de homens e grandes evoluções e levando seu nome e suas habilidades para a história, abrindo assim o caminho para as demais mulheres fortes que trabalham com seus dons em guiar e levar auxílio aos demais por meio dos oráculos.